22 de dez de 2011

Para o Igor de Oliveira

Apesar da minha aprovação com péssima nota em Ciencia Politica, ta aí!!!

6 de dez de 2011

"..Eu hoje joguei tanta coisa fora
Eu vi o meu passado passar por mim
Cartas e fotografias gente que foi embora
A casa fica bem melhor assim..."
 
 

3 de dez de 2011

visita do presídio Central, presídio feminino e dml

RELATÓRIO
          Os alunos da cadeira de Penal III, no dia onze de novembro de 2011 (11/11/11), foram em conjunto com os professores Saulo Bueno Marimon e Jarbas Freitas da Silva, ambos da Faculdade Cenecista de Osório (FACOS), na visitação ao Presídio Central no bairro Partenon, no presídio feminino, chamado Madre Pelletier, e por fim, no Departamento Médico-Legal (DML), órgão do Instituto-Geral de Perícias (IGP).
         Pontualmente, as sete e meia da manhã daquela sexta- feira, todos os alunos que iriam ao passeio, já estavam aguardando a chegada de um micro ônibus que estava atrasado. A turma foi dividida em dois grupos. No ônibus alunos correspondentes com as iniciais de A ao J, e no micro ônibus, o restante.
             Em geral, grande parte dos alunos estavam nervosos e apreensivos, principalmente as mulheres, durante o trajeto Osório a Porto Alegre. Chegamos por volta de quase onze horas da manhã no central, devido ao atraso do micro ônibus em Osório.
              Logo que chegamos, passamos por uma porta detectora de metais, onde tive que passar três vezes por ela, até descobrirem o motivo do apito. Era um detalhe de metal da minha bota. Após isso, recebemos orientações de como se comportar, de evitar a olhar diretamente aos apenados, não rir, e andar juntamente aos demais.
                  Após, fomos encaminhados a uma sala de palestras, onde fomos recepcionados pelo Major da Brigada Militar e outro policial responsável pela segurança e controle do presídio.  Foi relatado dados importantes sobre o funcionamento do local, sobre os apenados, estrutura, capacidade e principalmente o número de detentos que ali residem.
                    Foi mostrado e explicado em slides, a separação de apenados por galerias, de fotos de armas artesanais, de droga dentro da sola do sapato, de comentários de casos, como, o de uma mulher que estava carregando meio quilo de maconha dentro de seu órgão genital.
                  Nessa sala de palestras fomos informados de como aconteceu à rebelião de 1994.  Com a ajuda de uma reportagem do Jornal Nacional, o Major nos relatou que tudo começou no hospital penitenciário do central, onde os apenados faziam de tudo para permanecer dentro do hospital.
              Segundo Claudinei[1], “Tinha preso que dizia estar com problema oftálmico. Encomendamos uma biópsia e, por incrível que pareça, o preso colocava esperma nos olhos para causar um tipo de infecção. Outro tinha uma ferida na perna que não fechava nunca, e a gente pediu uma biópsia também. O resultado apontou que na ferida havia resíduos de cinzas de cigarro. Ele estava queimando aquilo com cigarro, ele nunca deixava fechar para ficar no hospital”. [2]
                     Um preso agendou uma conversa com o diretor do presídio, Claudinei, e como de costume, foi revistado por um agente, só que este, não revistou dentro de sua tipóia do braço, onde propositalmente estava guardada uma faca artesanal e com isso, o preso rendeu o diretor do estabelecimento.
                    Após isso desandou a rebelião. Capitularam reféns, invadiram o hotel mais luxuoso de Porto Alegre, o Plaza, como resultado, houve diversas trocas de tiro, mortes, e o ex diretor do presídio ficou paraplégico.
                  Logo após o término da palestra, fomos direcionados, a uma galeria desativada, acompanhados de policiais. Entramos dentro de celas vazias, onde a capacidade ideal é de cinco apenados, quando na realidade já se encontrou em torno de vinte pessoas alojadas no mesmo espaço. Dentro dessas mesmas celas, existem buracos, onde era normal os apenados esconderem objetos, como drogas e celulares.
                  É interessante ressaltar, que nessa galeria desativada, tinha um banheiro “feminino”. Foi perguntado a um policial que estava nos acompanhando, o motivo, já que aquele presídio é destinado a apenados do sexo masculino. E como resposta obteve-se: é organizado entre os próprios presos, para quando recebessem visitas de mulheres, tivessem um banheiro exclusivo a elas.
                    Enquanto esperávamos o resto da turma terminar de olhar o restante das galerias, eu e mais uma colega, conversávamos com um policial, e ele nos relatou que dentro do presídio, principalmente no regime fechado – e muito pouco no regime semiaberto- os presos tinham um “mercadinho”, ou seja, cantinas clandestinas, onde vendiam materiais de higiene, como, escova de dente, aparelhos de barbear, alimentos, como, massa, azeite, salgadinho, bolachas, chocolate, e onde um refrigerante custa aproximadamente trinta reais.
                    Por falta de tempo, em conseqüência do nosso atraso, não pudemos fazer mais visitações. Ao término da visita do Central, voltamos ao setor administrativo onde os policiais e funcionários se dispuseram a responder perguntas/dúvidas por parte dos colegas.
                     No Presídio Feminino, Madre Pelletier, tivemos um contratempo, não sabiam da nossa visita, e por isso, foi bem restrita e rápida a nossa visitação. Antigamente o prédio era uma casa de correção para menores abandonados.
                    A maior parte das presas ingressaram no presídio por tráfico de drogas, e o restante por crimes de infanticídio e homicídio. Quando uma presa chega ao presídio, colocam o nome dela para trabalhar na limpeza ou nas firmas. Só que nas firmas o preenchimento é feito à medida que o empresário necessita. O trabalho na cadeia dá dignidade às presidiárias e é uma oportunidade de ver a liberdade mais próxima, e de ocupação. Mas o principal é a redução da pena. A cada três dias trabalhados diminuiu um dia da pena. A remissão a elas ajuda muito para ir para o semi-aberto.  
                     O presídio feminino possui uma galeria de creche, onde abriga as gestantes e crianças, onde as mães ficam com seus bebes até um ano de idade, quando são retiradas do convívio de suas genitoras. A maioria desses bebes ficam com parentes de presas, segundo informações da diretora do Presídio.
                       E por último, lá pelas três e pouca da tarde, visitamos ao DML – Departamento Médico Legal, onde fomos direcionados a uma sala para recebermos uma primeira orientação. Um dado importante comentado na palestra, que em média 90% dos casos atendidos do DML é feito com pessoas vivas. Atendimentos com vítimas de agressões, acidentes de transito e não somente em casos de necropsias.
                      Após, fomos encaminhados para a sala de necropsia, onde poucos alunos conseguiram/quiseram assistir devido as cenas e o forte cheiro. Acredito que eu fui à única pessoa que presenciou as três necropsias.
                      A primeira foi de um jovem de 26 anos que tinha falecido durante a manhã com seis tiros, espalhados pelo corpo. O possível motivo era uma suposta briga e aparentemente estava com uma substancia branqueada dentro do nariz, que poderia ser droga.
                    O segundo caso, era de um senhor de idade, aonde, veio a falecer de causas naturais. E como explicado pelo legista responsável esse era um caso do qual não precisava ser redirecionado ao DML. Pois a necropsia é um exame pericial que busca a “causa mortis” em casos de ocorrência de morte violenta ou suspeita. E nesse caso, foi uma morte natural, mas o cadáver só pode ser enterrado se estiver com a declaração de óbito, que é realizado após a identificação e o motivo da morte. Com esse documento, a família consegue retirar a Certidão de Óbito em um cartório. Foi visivelmente notado que esse senhor de idade estava extremamente magro e apresentava diversos sinais de escaras profundas (aquelas feridas que se formam no corpo das pessoas que ficam por longos períodos na cama, seja jovem ou idoso, seja no hospital, ou em casa).                           
                  Ainda consigo me lembrar do som feito pela talhadeira separando o crânio e o barulho no exato momento que o legista puxou a pele da cabeça. Também é importante ressaltar, que foi a primeira vez que eu e todas as pessoas que estavam ali tivemos a oportunidade de ver de perto, um pulmão de uma pessoa fumante.
                  E o terceiro caso, e último, foi de um bebê com aproximadamente um mês de vida, que aparentemente não tinham certeza da causa da morte antes de fazerem à necropsia. A bebê tinha uma ferida perto da perna, que o legista me informou que poderia ser um tipo de assadura ocasionado por maus cuidados. O questionei, o que aconteceria com a família se fosse provado que a possibilidade de maus tratos, e ele me respondeu que dificilmente aconteceria alguma coisa.

                                                                ANÁLISE/OPNIÃO

         Não existe ressocialização no presídio.  Na teoria, o presídio tem como finalidade reeducar o apenado e prepara-lo para voltar ao convívio em sociedade. O Estado não tem estrutura, logo essa política não existe. O presídio acaba transformando e aperfeiçoando o preso nas praticas criminosas tornando-os mais frios, mais insensíveis e cruéis do que já eram antes de ingressar na instituição.
          E essa falta de política para do Estado na recuperação do apenado acaba trazendo ele de volta, ou seja, ele acaba delinqüindo novamente. Ajuda explicar o grande número de reincidência. O presídio Madre Pelletier e principalmente o Presídio Central, não apresenta nenhum tipo de condição mínima para as pessoas se ressocializarem  e por efeito colateral,  acaba trazendo efeitos danosos na personalidade deles. É uma total falta de infra-estrutura, superlotação, e com condições de vida sub-humana. É alarmante, a diferença do número de capacidade para com o número de detentos que lá se encontram.
            A prisão é associada à questão punitiva. Existe na ideia da sociedade em si, que o preso merece sofrer, que um detento morto, é ‘” um a menos”. Acredito, que ninguém que saiu do Presídio, saiu melhor do que entrou.
          A promiscuidade é um fator que acontece tanto do Central como no Madre Pelletier. Em conseqüência, acaba fazendo o preso (a) perder a dignidade e honra que lhe resta. O detento depois que sai da casa, tem outro problema: o desemprego. Os empregadores tem anseio em contratar indivíduos que já cometeram crime considerado grave, e por isso, acabam por muitas vezes, voltando a delinqüir. O Estado insere o condenado em um sistema que segundo OLIVEIRA (apud COELHO 2003,p.1):
“..Nada mais é do que um aparelho destruidor de sua
personalidade, pelo qual não serve para o que diz servir,
neutraliza a formação ou o desenvolvimento de valores;
estigmatiza o ser humano; funciona como máquina de
reprodução da carreira no crime; introduz na personalidade a
prisionização da nefasta cultura carcerária; estimula o
processo de despersonalizarão; legitima o desrespeito aos
direitos humanos...”

             O desrespeito atinge o apenado não somente aos seus direitos conforme dispõe a Carta Magna. O desrespeito ultrapassa sua condição de ser humano. Cezar Bitencourt, fala que se o criminoso é habitual, a pena será ineficaz, se ocasional, ela excederá o necessário.
             Quando passei pela galeria desativada, e entrei dentro de varias celas, li muitos trechos e frases nas paredes, algumas falavam em liberdade, outras em mulheres, dias da semana, nome de facções, outras em religiões. Não é preciso ter contato com nenhum apenado para observar tamanha angustia, inquietação e revolta que possuem.
             Chego à seguinte pergunta: O que fazer com a pena?  Evandro Lins e Silva[3], responde a minha indagação. “A prisão restaria para delitos mais graves, aqueles que tendam contra normas protetoras de direitos cujo desrespeito atingisse fundamente os princípios de coesão social. O restante seria solucionado com DESCRIMINALIZAÇÃO, DESPENALIZAÇÃO E DESJUDICIARIZAÇÃO. A descriminalização seria a retirada de leis penais de infrações que não mais devem ser catalogadas como crimes de acordo com os costumes de nossa época. A despenalização, seria a aplicação de sanções que não a pena de prisão, para condutas que embora ainda devam estar contempladas na legislação penal, não apresentam maior gravidade ou ofensas as regras de manutenção do convívio social. A desjudiciarização, isto é, a retirada da competência do poder judiciário penal, as ações cujas solução melhor ficaria situada na esfera cível ou administrativa.”[4]
                     Sendo assim, concluo que atualmente o sistema penitenciário afere os direitos previstos na carta Magna. Que o encarceramento não melhora, não corrige, e não ressocializa ninguém. A partir dessa experiência, pude dar mais valor ao bem mais valioso do homem: A LIBERDADE.

REFERÊNCIAS

      1- Artigo sobre “Violência, omissão e insegurança pública: o pão de nosso de cada dia.” Julia Lemgruber.

       2- Artigo “DE BECCARIA A FILIPPO GRAMATICA” Evandro Lins e Silva.


       4- http://www.hottopos.com/seminario/sem2/cris2.htm Acesso em: 20/11/11.

       5-http://sites.google.com/site/portoalegresitiada/ Acesso em: 20/11/11.
 
       6-VARELLA, Drauzio – “Estação Carandiru”- 7a. reimpressão – 1999 – Companhia das Letras- São Paulo


[1],Claudinei dos Santos, era diretor do Presídio Central de Porto Alegre no ano da rebelião.
[2] Retirado do site: http://sites.google.com/site/portoalegresitiada/ em: 19/11/2011.
[3]. Ex Procurador Geral da Republica, ex Ministro do Supremo Tribunal Federal.
[4] citação retirada do artigo DE BECCARIA A FILIPPO GRAMATICA pg. 20

27 de nov de 2011

"Tempo certo..
De uma coisa podemos ter certeza: de nada adianta querer apressar as coisas;
tudo vem ao seu tempo, dentro do prazo que lhe foi previsto. Mas a natureza humana não é muito paciente. Temos pressa em tudo e aí acontecem os atropelos do destino, aquela situação que você mesmo provoca, por pura ansiedade de não aguardar o tempo certo. Mas alguém poderia dizer: Qual é esse tempo certo? Bom, basta observar os sinais. Quando alguma coisa está para acontecer ou chegar até sua vida, pequenas manifestações do cotidiano enviarão sinais indicando o caminho certo. Pode ser a palavra de um amigo, um texto lido, uma observação qualquer. Mas, com certeza, o sincronismo se encarregará de colocar você no lugar certo, na hora certa, no momento certo, diante da situação ou da pessoa certa. Basta você acreditar que nada acontece por acaso. Talvez seja por isso que você esteja agora lendo estas linhas. Tente observar melhor o que está a sua volta. Com certeza alguns desses sinais já estão por perto e você nem os notou ainda. Lembre-se, que o universo sempre conspira a seu favor quando você possui um objetivo claro e uma disponibilidade de crescimento."

Paulo Coelho

22 de nov de 2011

Alone

Meu passado não me prende. Nada. Ninguém. Esse é o problema. Eu sinto um vazio que eu não sei de quê.


estou na aula de Responsabilidade Civil. Mas só de corpo presente.

16 de nov de 2011

"..Ano que vem eu começo a faculdade.."
".. Próximo concurso eu estudo.."
".. Não tenho tempo pra ler.." ( Assistir Tv tem, ficar no facebook tem, ler não. )
"..Meu sonho é passar no concurso da Policia Federal.." (Eu: ué, vai sair edital ano que vem, porque não começa a estudar? R: ah..depois que eu terminar a faculdade eu tento"... Então não é sonho. È vontade.)
"..Segunda eu começo a procurar um emprego"..
"..Quero fazer faculdade, mas não tenho dinheiro.."

Detesto gente acomodada. Se você não fizer por si, quem vai fazer? Vai se ver com trinta anos e não vai ter nada na vida. Só não estuda quem não quer. Hoje em dia tem faculdade federal, tem o enem, tem o fiergs, tem curso técnico.

Só não trabalha quem não quer também.

move on

A vida é uma caixinha de surpresas. A gente fica chocada com muita coisa que se vê e de muitas atitudes que os outros tomam.

Nada mais do que o normal.

Pedir pra não magoar quem nos magoou é demais. Certo que eu não faria certas coisas em certos momentos. Mas como os outros fazem com a gente e não se importam, porque me importar com as coisas que eu faço pra não magoar, agora?!

Preciso parar de me importar com os outros. Pelo menos em certos quesitos.

Não devo satisfações faz tempo. Só que consideração sim. Só que as pessoas não sabem a diferença entre ambas.

As pessoas comentam e espalham coisas que nunca existiram entre duas pessoas.. imagina quando existe.

Essa vai ser a primeira e ultima vez que eu vou comentar sobre o assunto. Não respondo e não responderei mensagens no celular e qualquer outro tipo de meio virtual. porque não tenho que me explicar á ninguém. Deixe que pensem, deixe que falem.

Segue o baile.. eu estou. Só que agora em um outro ritimo.

Eu perco o interesse muito fácil das pessoas. Cuidado. Agora, nada que eu veja e nada que se faça, fará eu me importar.

Sou transitória.

Ps: Vão ler um livro. Vão cursar uma faculdade. Vão trabalhar. Vão achar o que fazer.

12 de nov de 2011

Caixa de entrada

De: ..
Para: mim.


oi!
acabei de ler teu post. Sinceramente acho que a essa altura tu tem que traçar um caminho, oportunidades vao aparecer muitas daqui pra frente, tenho certeza. mas o que tu realmente quer? o que realmente tu gosta de fazer? se tu quiser ser funcionaria publica de tramandai a chance tu tem, se tu quer ser corretora, ta na mão é só tu aceitar. Mas se tu quer seguir na area do direito, o quanto mais tu abrir mão de outras coisas e se focar na tua faculdade acredito que seja melhor, daqui a pouco e não demora muito tem a provinha da OAB, e tu precisa estar muito preparada, e com mais nada na cabeça além da prova. Eu não posso dizer o que tu tem que fazer e decidir pra tua vida, mas to do teu lado no que tu escolher, e acredito que ninguém pode dar opinião, pode até dar, mas essa escolha tem que ser tua, só tua. eu sei que é dificil escolher, mas se tu quiser continuar tua faculdade tu sabe que isso exige muito tempo teu.
tu pode ou não concordar com o que falei, mas só quero que tu faça o melhor pra ti, não podemos fazer tudo ao mesmo tempo como tu andava fazendo, eu quero te vejo feliz com o que tu esta fazendo. e na boa, eu nao conheço outra pessoa que ta no meio da faculdade e ja sabe quase tudo de direito de família que nem tu, paraabéns mesmo!
tu sabe que o teu futuro é certo, tu tem muitas escolhas.
acho que era isso. hehe

beijo e boa sorte nas escolhas da vida!

9 de nov de 2011

Cada escolha uma renuncia

Dois dias eu tive p escolher em sair da procuradoria ( estagio na minha área) e ir trabalhar de Corretora em outra cidade. Sim, hoje é o último dia e eu ainda não sei o que fazer. Sem dúvida que da dinheiro trabalhar nessa área e ainda mais especialmente se tratando de condominios de luxo.
Não quero largar de uma coisa certa, onde eu gosto de trabalhar, gosto das pessoas,  aprendo e o principal, é super flexivel meus horarios e eu tenho a possibilidade de faltar ou de ficar um dia inteiro e ficar aqui apenas estudando. Minha principal prioridade é a minha faculdade. E se eu não conseguir conciliar esse trabalho com todas as minhas cadeiras? Não quero me transferir p UNISC. Não estava nos meus planos voltar a morar sozinha em Capão ou quem sabe dividir um ap com a minha melhor amiga que mora lá.

..

Provavel que no final do ano, vou ter outro dilema. Me empossar do cargo público..
Vou recusar. Tudo bem que  Tramandai  é super perto, mas é em outra área. Ta todo mundo me achando uma doida de preferir ficar em um estagio do que ser concursada. Bom..Não vou ficar pensando nisso agora, vou esperar chegar o telegrama, p me decidir.


Não gosto de mudanças radicais no meu estilo de vida. Talvez isso seja ruim. Talvez não.

Mas, me dei por conta que escrevi tudo isso da forma "..Não queria.."

Bom..já é um começo.

19 de out de 2011

nina dorminhoca

Minha nova companheira. Nina.
Consegui notar em dois dias que ela adorou meu aposento. Incrivel como um animal de estimação consegue te dar um up.

só que..parece que de um certo modo eu to traindo a xuxa..bobagem né?!

vide: http://etianerodrigues.blogspot.com/2011/07/bad.html

17 de out de 2011

Mas então onde, meu Deus?
Onde vou encontrar gente interessante?
O tempo está passando, meus ex já estão quase todos casados,
minhas amigas já estão quase todas pensando no nome do bebê.
E eu?
Até quando vou continuar achando todo mundo idiota demais pra mim
e me sentindoo mais idiota de todos? Foi então que eu descobri.
Ele está exatamente no mesmo lugar que eu agora,
pensando as mesmas coisas, com preguiça de ir nos mesmos lugares furados e ver gente boba,
com a mesma dúvida entre arriscar mais uma vez e voltar pra casa vazio
ou continuar embaixo do edredom lendo mais algumas páginas do seu mundo perfeito.
A verdade é que as pessoas de verdade estão em casa.
Não é triste pensar que quanto mais interessante uma pessoa é,
menor a chance de você vê-la andando por aí?


Tati Bernardi

16 de out de 2011

o que me atrai em um homem é a firmeza, atitude, independencia e inteligencia. até rima. Sexo é bom quando quando conquista, quando tem histórinha, quando tem aquele desejo, química e fisica. O que mais me excita não é o que eu vejo... e sim o que eu ouço.

Como diz meu novo marca páginas: " .. Pense em alguma emoção que queira viver ou sentir... Permita-se uma nova sensação.."

12 de out de 2011

carência alheia

Você é esperto e inteligente. Sai com quem você quiser a hora que você quiser. Todo dia é uma diferente. As vezes elas se repetem..mas isso só acontece quando voce esta com preguiça de atualizar seus contatos. acaba fazendo elas se sentirem únicas, mas mal sabem que você repete as mesmas frases e as mesmas mensagens de telefone e e-mail.

Você é carente. Isso tudo te torna vazio... e mais solitário de certa forma.



E você sabe disso, porque você se sente assim. E eu te vejo assim.

13 de set de 2011

meu querido Caio, pensando o que eu penso..

"..Menos pela cicatriz deixada, uma ferida antiga mede-se mais exatamente pela dor que provocou, e para sempre perdeu-se no momento em que cessou de doer, embora lateje louca nos dias de chuva .."

24 de ago de 2011

Um dia eu chego lá

"Chego lá aonde? É o que eu sempre me pergunto. Lá é para a esquerda, é para a direita, lá é longe? á faz frio? Lá tem muita gente?
Não. Lá é um lugar quase deserto. Aproximando-se pela estrada, que é estreita, mal iluminada e cheia de buracos, você avista a placa "Bem-vindo a Lá". Chegando lá, você descobre que não era nada do que você imaginava, que as fotos que o agente de viagem lhe deu foram retocadas e que há pouca coisa para se fazer à noite.
Você sonhou muito em chegar lá. Suas primeiras recordações da infância são da voz do seu pai dizendo "este garoto ainda vai chegar lá". Você estudou para isso. Você trabalhou feito um condenado, você nunca deu dois passos na vida sem que o objetivo fosse chegar lá. Ai você chega e descobre que lá é uma abstração.
Lá nunca é aqui. Você pensa que chegou lá e ainda está aqui. Você bem que tenta reverter a situação, iludindo-se ao ponto de chegada: "Pessoal, estou orgulhoso de ter chegado até aqui". As pessoas olham para você com uma expressão desconfiada no rosto. Chegar até aqui? Mas aqui nós também estamos, grande coisa. Quero ver você chegar lá.
Lá pode ser uma casa num condomínio fechado. Lá pode ser um cargo de confiança. Lá pode ser dois filhos saudáveis. Lá é o seu desejo de consumo ou sua realização pessoal. Um lugar que todo mundo quer alcançar. Uns chegam lá. Mas, chegando, descobrem que não é lá que gostariam de se instalar. Lá é a morte dos seus sonhos.
Você chegou lá como prefeito e descobre que queria ser governador. Você chegou lá casado e descobre que quer recuperar a sua liberdade. Você chegou lá cheio de dinheiro e descobre que não tem tempo para aproveitá-lo Você chegou lá no seu peso ideal, e agora? Agora é preciso ir até lá onde você vai aprender a ser feliz sem refrigerante.
Chegando lá, descobre-se que lá sempre fica em outro lugar: adiante."
Retirado do livro da Martha Medeiros, Non - Stop pg.247

20 de ago de 2011

CONCURSO PUBLICO: EU PASSEI

Semestre passado ( 2011/01) minha menor média foi 8.2 fora esta, 9.9, 9.5, 9.6,9.0 em todas as seis cadeiras. Ainda no semestre passado, passei na prova do AJUDA (assistencia juridica do Direito ) onde eu faço estágio nas quintas á tarde no centro empresarial de Osório na área de Direito de Família. Nas férias aproveitei e fiz dois cursos na área Civil, um de 30 horas na área de Direito de Família: alimentos; e outro de 60 horas em Responsabilidade Civil. Aproveitei o tempo p dar um up nos estudos e computar horas complementares p Faculdade. No inicio desse semestre, passei na prova de estágio p/ Procuradoria Cívil, onde eu estou trabalhando no momento. 2011 foi o ano em que eu mais comprei livros. Quando o semestre terminar, vou ter completado 13 cadeiras só nesse ano, 6 no primeiro e 7 no segundo. Estou quase entrando no meu terceiro ano de Faculdade .. e  agora passei em mais uma prova: 3º lugar no CONCURSO PÚBLICO!!!!

4 de ago de 2011

assistindo Lost na sky na madrugada (reprisando o episodio, é claro) me deparo com uma fala do Sawier se referindo a um livro do qual por coincidencia eu estava lendo nessa semana:

Em um dos diálogos entre Benjamin Linus e Sawier em Lost S03E04.

- “É aquele lugar que sempre quis, George?” - Diz Sawier.

- O que disse? Pergunta Ben.

- O que, você não lê? É de Ratos e Homens do Steinbeck, você gostaria, matam cachorrinhos.

Vários minutos depois:

- “Um cara enlouquece se não tem alguém, não importa quem o cara seja... contanto que esteja com você. Vou te contar... quando o cara fica muito sozinho, ele fica doente.” Diz Benjamin.

- Do que está falando? Pergunta Sawier.

- É de Ratos e Homens, você não lê?

29 de jul de 2011

Capricorniana

Saturno é um dos Titãs, os deuses da Terra, filhos de Gaia, a Grande Deusa Mãe. Saturno é Kronos na Mitologia Grega, Deus do Tempo, que veio aprisionar seus filhos na cadeia das reincarnações. Do mesmo modo o capricorniano aprisiona a si próprio dentro de muros de trabalho, dever e ambição e passa muito tempo de sua vida somente acumulando responsabilidades e... dinheiro. Em detrimento, as vezes da sua vida sentimental. Porém, ele também aspira o lado espiritual da vida, mas ele irá, também neste campo, tentar alcançar o topo e buscará o autocontrole, a vontade, a estabilidade interiores que o associam à figura do Pai.


Costumam ser pessoas justas. Não estão entre os mais felizes do zodíaco, tendem mais à melancolia e ao pessimismo. Quando um capricorniano sofre de depressão deve procurar ajuda. 


A Capricorniana se decepciona facilmente e se queixa muito do fato que os homens não lhe oferecem a necessária ‘segurança’. Isto está ligado ao mito do ‘Pai’ que elas trazem dentro de si. E se esta figura paterna não for bem resolvida, terão problemas nos relacionamentos e se decepcionarão sempre com os homens que considerarão ‘mais fracos’. Com o tempo, elas poderão no entanto desenvolver o seu lado mais caloroso e acolhedor e se tornarem muito sábias. 


 A capricorniana típica não lida bem com sentimentos, que ela considera ‘pouco seguros’. Como ela gosta de pisar em terra firme, buscará relacionamentos estáveis e bem do tipo ‘tradicional’, e aos poucos construirá os alicerces firmes para a sua ascensão social. Não existe pessoa mais segura para companheira do que uma pessoa de capricórnio! No entanto, se você busca emoções, novidades, surpresas, enfim, uma vida cheia de ‘fogo de artifícios’ fique longe dele. Ele lhe oferecerá segurança, conforto material, uma boa posição social, mas nunca grandes surpresas e noitadas loucas! O amor do capricorniano é demostrado no dia à dia, naquilo que ele oferece ao seu companheiro para dar-lhe estabilidade e firmeza. E isto não é pouco, não é?


Signos que teoricamente combinam: Touro, Virgem e Câncer
Signos que teoricamente não combinam: Libra, Gêmeos e Leão

Fonte: Graziella Marraccini é astróloga, taróloga, cabalista e estudiosa de ciências ocultas e dirige a Sirius Astrology.

23 de jul de 2011

bad bad

Sábado de julho, especificamente dia 23, e frio, só a luz do abajur da cama, o silêncio na casa e eu aqui de baixo do cobertor  com o lençol térmico ligado. Os ponteiros do relógio passam e as horas não importam.

Alguns dias amanhecem às dezessete horas, dias em que eu não abro a janela. O cansaço mental é grande e entre 64 pensamentos e outros, tudo parece estar longe do alcance das mãos e dos pés. Tento me justificar com o coração dizendo que a gente se apega nos animais. A vida tem esses dias escuros. Dias em que nada faz sentido, muito menos a vida. Dias em que o café é amargo, mesmo acrescentando o pote inteiro de açúcar. Dias em que o sol não existe. Dias em que todas as portas da vida estão trancadas. Dias difíceis. Sorte que todo dia é véspera. Dias em que nada basta, só ser.

bad

Dia extremamente dificil e triste p mim. Mandei sacrificar meu animal. Dói demais, em mim. Prolonguei esse dia o quanto eu pude. Sou a favor da eutanásia, se o quadro da pessoa for irreversível. Para que prolongar a dor da pessoa quando não há nenhuma outra maneira de melhorar?!

Eu não me apego em pessoas. Eu me apego em animais. Minha gata não tinha dois anos, minha gata tinha dezenove anos. Minha vida inteira ela tava ali..aqui. Sempre com boa saúde, sempre gorda, sempre com cara de mal humorada.

Começou a dormir o dia inteiro, ela ja era praticamente cega, devido a sua catarata, Desde alguns anos ela não mastigava a comida (engolia inteiro), não conseguia levantar mais, devido a sua coluna. Ela teve todos os sintomas de velho. Ela passou as ultimas semanas comigo, na cama. Onde eu tentava fazer ela comer. E nos ultimos dias, não se erguia e não comia e nem bebia nada, consecutivamente não fazia mais xixi, e os orgaos dela estavam parando..

Até que hoje, ela começou a ter dificuldade a respirar, e respirava pela boca. Achei que ela começou a sentir dores.. foi ai que tomei a decisão de sacrificar.
É triste ver o animalzinho morrendo e tu não poder fazer nada.
Eu mal conseguia dirigir de tanto que eu chorava a caminho do veterinário. É triste saber que eu ia voltar p casa sozinha..

Minha gata viveu 19 anos e teve uma vida privilegiada. Morreu de velhice.






1 de jul de 2011

REALISMO

"..Não adianta olhar para o céu com muita fé e pouca luta.."

27 de jun de 2011

tem vezes que a vida lança na nossa frente umas supresas provocantes. é sistemático. tudo caminha bem, sem mais - nem más -novidades, até que tudo parece acontecer de uma vez só. as certezas chocam-se com as vontades e os caminhos ficam embassados. nada, porém, que nos impeça de seguir.

30 de mai de 2011

Concurso Publico

A cerca de um mês atras, eu me inscrevi em um concurso, de apenas uma vaga, em uma area do qual eu não entendo, odontologia. Eu coloquei na cabeça de que eu iria tirar primeiro lugar.
e nesses 30 dias, eu estudei pra caramba, imprimi pilhas e pilhas de folhas li, reli, assisti documentarios, videos de extração de dente.. deixei de estudar p minhas provas da faculdade, decorei todos os forceps que existem, sei tudo sobre placa bacteriana, o tratamento de fluor, restauração, biossegurança, esterilização com autoclave, exodontia, as doenças periodontais enfim..coloquei na minha cabeça que eu ia passar nesse concurso, e em primeiro lugar. Estudei de seguda a segunda p esse maldito concurso.
Não sei o porque, mas hoje entrei no site do meu concurso, e coloquei meu nome e CPF p/ olhar.. e advinha?! coloram errado o meu cargo. Justo o meu! Incrivel!!.. fui correndo olhar os meus papeis do comprovante.. e lá estava, algo com farmaceutica. Maravilha. Maravilha!!
Erro do funcionário publico, e erro meu, por não ter conferido na hora, que merda mesmo.

Na hora eu não sabia se ria ou chorava. Como eu sou sortuda.

Talvez minha mãe esteja certa: Não era pra mim..

25 de mai de 2011

2011/01

Trabalho de civil, ações revisionais. Trabalho de civil, elaboração de contrato tal. Psicologia aplicada ao direito, artigo cientifico. Psico, trabalho tal de criminologia. resumo de parafilias, resumo de transtornos psicoticos,Processo, artigo cientifico. Processo,Acordão comentado. Constitucional II, resumo tal. Resumo Tal. e mais um resumo tal. Artigo cientifico. Trabalho Plus. Penal , trabalho de concurso de pessoas. Trabalho acerca da culpabilidade. trabalho extraclasse. Mais trabalho extraclasse. Estudar p concurso. Estudar p outro concurso.Prova. Prova. Prova. grade velha, grave nova. seis cadeias, mais seis cadeiras, mais seis cadeias, mais..  Odontologia. autoclave, forceps, esterilização, espatula Hollemback, sindesmótomo, amalgamador, Cimento ionômero de vidro, degermação, biossegurança,  filmes radiográficos, tecnica de fones, tecnica de bass, tecnica de stilman, protese, placa bacteriana (..)



19 de mai de 2011

BUENOS AIRES/ ARGENTINA - PARAGUAI - CURITIBA/PARANÁ

                              




13 de mai de 2011

ABELARDO E HELOÍSA

"O romance entre Heloísa e o filósofo Pedro Abelardo iniciou-se em Paris, no período entre o final da Idade Média e o início da Renascença.

Abelardo havia sido recentemente pela Escola Catedral de Notre Dame, tornando-se, em pouco tempo, muito conhecido por admirar os filósofos não-cristãos, numa época de forte poder da Igreja Católica.

Heloísa, que já ouvira falar sobre Abelardo e se interessava por suas teorias polêmicas, tentou aproximar-se dele através de seus professores, mas suas tentativas foram em vão.

Numa tarde Heloísa saiu para passear com sua criada Sibyle, e aproximou-se de um grupo de estudantes reunidos em torno de alguém. Seu chapéu foi levado pelo vento, indo parar justamente nos pés do jovem que era o centro da atenções, o mestre Abelardo. Ao escutar seu nome, o coração de Heloísa disparou. Ele apanhou o chapéu, e quando Heloísa aproximou-se para pegá-lo, ele logo a reconheceu como Heloísa de Notre Dame, convidando-a para juntar-se ao grupo. Risos jocosos foram ouvidos, mas cessaram imediatamente quando o olhar dos dois posaram um sobre o outro. Heloísa recolocou seu chapéu, fez uma reverência a Abelardo e se retirou.

Desde esse encontro, porém, Heloísa não consegui mais esquecer Abelardo. Fingiu estar doente, dispensou seus antigos professores e passou a interessar-se pelas obras de Platão e Ovídio, pelo Cântico dos Cânticos, pela alquimia e pelo estudo dos filtros, essências e ervas. Ela sabia que Abelardo seria atraído por suas atividades e viria até elas. Quando ficou sabendo dos estudos de Heloísa, conforme previsto por ela Abelardo imediatamente a procurou.

Abelardo tornou-se amigo de Fulbert de Notre Dame, tio e tutor de Heloísa que logo o aceitou como o mais novo professor de sua sobrinha, hospedando-o em sua casa, em troca das aulas noturnas que ele lhe daria. Em pouco tempo essas aulas passaram a ser ansiosamente aguardadas e, sem demora, contando com a confiança de Fulbert, passaram a ficar a sós. Fulbert ia dormir, e a criada retirava-se discretamente para o quarto ao lado.

Em alguns meses, conheciam-se muito bem, e só tinham paz quando estavam juntos. Um dia Abelardo tirou o cinto que prendi a túnica de Heloísa e os dois se amaram apaixonadamente. A partir desse momento Abelardo passou a se desinteressar-se de tudo, só pensando em Heloísa, descuidando-se de suas obrigações como professor.

Os problemas começaram a surgir. Primeiro, esse amor começou a esbarrar nos conceitos da época, quando os intelectuais, como Heloísa e Abelardo, racionalizavam o amor, acreditando que os impulsos sensuais deveriam ser reprimidos pelo intelecto. Não havia lugar para o desejo, que era um componente muito forte no relacionamento dos dois, originando um intenso conflitos para ambos. Ao mesmo tempo Sibyle, a criada, adoecera, e uma outra serva que a substituíra encontrou uma carta de Abelardo dirigida a Heloísa, e a entregou a Fulbert, que imediatamente o expulsou. No entanto isso não foi suficiente para separá-lo.

Heloísa preparou poções para seu tio dormir e, com a ajuda da criada Sibyle, Abelardo foi conduzido ao porão, local que passou a ser o ponto de encontro dos dois.

Uma noite, porém, alertado por outra criada, Fulbert acabou por descobri-los. Heloísa foi espancada, e a casa passou a ser cuidadosamente vigiada. Mesmo assim o amor de Abelardo e Heloísa não diminuiu, e eles passaram a se encontrar onde pudessem, em sacristias, confessionários e catedrais, os únicos lugares que Heloísa podia freqüentar sem acompanhantes a seu lado.

Heloísa acabou engravidando, e para evitar aquele escândalo, Abelardo levou-a à aldeia de Pallet, situada no interior da França. Ali, Abelardo deixou Heloísa aos cuidados de sua irmã e voltou a Paris, mas não agüentou a solidão que sentia, longe de sua amada, e resolveu falar com Fulbert, para pedir seu perdão e a mão de Heloísa em casamento.

Surpreendentemente, Fulbert o perdoou e concordou com o casamento.

Ao receber as boas novas, Heloísa, deixando a criança com a irmã de Abelardo, voltou a Paris, sentindo, no entanto, um prenúncio de tragédia. Casaram-se no meio da noite, às pressas, numa pequena ala da Catedral de Notre Dame, sem nem trocar alianças ou um beijo diante do sacerdote.

O sigilo do casamento não durou muito, e logo começaram a zombar de Heloísa e da educação que Fulbert dera a ela. Ofendido, Fulbert resolveu dar um fim àquilo tudo. Contratou dois carrascos e pagou-os para invadirem o quarto de Abelardo durante a noite e arrancar-lhe o membro viril.

Após essa tragédia, Alberto e Heloísa jamais voltaram a se falar.

Ela ingressou no convento de Santa Maria de Argenteul, em profundo estado de depressão, só retornando à vida aos poucos, conforme as notícias de melhora de seu amado iam surgindo. Para tentar amenizar a dor que sentiam pela falta um do outro, ambos passaram a dedicar-se exclusivamente ao trabalho.

Abelardo construiu uma escola-mosteiro ao lado da escola-convento de Heloísa. Viam-se diariamente, mas não se falavam nunca. Apenas trocavam cartas apaixonadas.

Abelardo morreu em 142, com 63 anos, Heloísa ergueu um grande sepulcro em sua homenagem, e faleceu algum tempo depois, sendo, por iniciativa de suas alunas, sepultada ao lado de Abelardo".

Conta-se que, ao abrirem a sepultura de Abelardo, para ali depositarem Heloísa, encontraram seu corpo ainda intacto e de braços abertos, como se estivesse aguardando a chegada de Heloísa.

Fonte: http://www.casadobruxo.com.br/textos/abelardo.htm

7 de mai de 2011

porque que eu não consigo escrever um post ou estudar

Essa semana de provas e provas na faculdade, e a vontade de escrever aqui..não flui. Me deparei com a seguinte pergunta: porque eu não consigo estudar, ou escrever?


Porque me dá fome... Cada vez que eu sento e tento ler alguma coisa, exclusivamente do Direito, me dá uma fome daquelas. Parece que eu tô de dieta há uma semana. Aí eu levanto, como um doce, como um salgado, tomo água, Coca. Fome resolvida, vamos trabalhar. Que nada. Comi demais. Preciso dar uma descansadinha senão o cérebro pifa. Acordo uma hora depois. Vou, estudar no computador, é mais prático. mas aí eu lembro que preciso tomar banho. Seja porque está frio demais ( minha casa é super gelada), e é impossível me concentrar com frio, tenho que  tomar banho e colocar uma roupinha quentinha, vai facilitar o fluxo das ideias... lá vou eu pro banheiro. Tomo o banho maaais demorado do mundo. Fico um tempão pensando no box. Visto a roupa adequada. Volto pro computadior, Escuto a minha gata miar na minha janela, exatamente do lado da cadeira do computador.. tento me concentrar no que estou lendo.. Mas não tem jeito, sou obrigada a levantar, pegar a gata da varanda, esperar ela comer ( se eu nao ficar do lado dela, esperando, ela definitivamente não come. Tem coisa mais chata que isso?), após, a coloco no meu colo e esfrego a cara dela. Esse processo é equivalente a uns oito minutos. Volto pro computador. Vou digitar algo, e nesse momento vejo que as minhas unhas estão em tamanho desproporcional, e o esmalte descascado. Paro para tirar o esmalte, lixar as unhas, afinal de contas, não dá pra digitar com elas assim. Processo finalizado, unhas devidamente amparadas, lixadas e bonitinhas. Olho pro computador. "Agora vai", eu digo pra mim mesma, "Mas antes vou só dar uma olhada nos meus emails, orkut,  msn, blog, ver se baixou o preço de tal livro no submarino....". Levo uns módicos 40 minutos para tentar responder a mensagens, acompanhar as páginas dos outros e voltar a pensar no estudo, ou no que estava escrevendo no blog. Penso no meu ovo de  páscoa delicioso da cacau show na geladeira. Levanto e pego só um pedacinho. Não consigo escrever nem um parágrafo porque quero só mais um pedacinho. Coloco uma meta. Se eu escrever um parágrafo como mais. Escrevo de qualquer jeito, um tanto quanto tosco, e vou comer mais doces. Volto culpada, pensando que eu devo ter algum problema. Escrevo mais um parágrafo e gasto uma hora corrigindo tudo o que escrevi e achando tudo horrível. Minha cabeça começa a doer. Deve ser porque eu trabalhei demais. Paro , vou lá em cima ver o que a mãe ta fazendo. Volto e escrevo mais um parágrafo. Lembro de que não lavei a droga da louça do meio dia!!  Volto disposta a terminar, seja de estudar ou escrever algo p cá. Digito mais algumas frases. Corrijo todas as anteriores. Resolvo que se eu der uma descansadinha as coisas fluem melhor. Quando eu percebo já está quase na hora de  ir p faculdade de novo, fazer a maldita prova, do qual eu devidamente não estou apta. Ou, se estava tetando redigir um textinho, paro tudo e vou ler um capítulo de cada um dos 3 livros que eu estou lendo.


Boa é a vida da minha gata. Acreditem, ela passa o dia inteiro na mesma posição da foto, só troca mesmo o lugar do pátio p se deitar.

1 de mai de 2011

BUENOS AIRES



compramos as passagens, lá vamooos nóóós!

13 de abr de 2011

AMOR, HONRA, CULPA, MEDO, REDENÇÃO.

" Seriam um erro dizer que Sohrab era quieto. Quieto significa em paz. Tranquilidade. Estar quiero é baixar o botão do volume da vida.
O silêncio é pressionar o botão para desligar. Desligar tudo. O silêncio de Sohrab era o silêncio auto-imposto daquels que têm convicções, daqueles que protestam, que tentam defender a sua causa recusando-se a falar. Era o silencio de quem se escondeu no escuro, dobrou todos as bordas e as prendeu, bem enfiadas nos cantos, como se faz com um cobertor."

Hosseini Khaled, O CAÇADOR DE PIPAS, pag.355,356.

30 de mar de 2011

12 de mar de 2011

Nenhum pai deveria ver o filho morrer..

23 de fev de 2011

De Violências contra a Mulher e do "Ideal de Estupro"

Cito o post da Clarissa de Baumont no Blog Lamento della Ninfa,sobre esse video..

''Por que tudo foi gravado? Os senhores que cometiam essa violência tinham conhecimento do artigo 249 do CPP e de que não podiam agir por tais meios, ou na corregedoria da polícia trabalha quem desconhece a legislação?  

Será que assumiriam, então, o risco de gravar um vídeo dessa mulher sendo despida se não tivessem "certeza" de que encontrariam o dinheiro?

Qual o valor de um vídeo, uma produção, como prova? Vale o quê?

Como o mágico encontra sempre o passarinho que já tinha para o público, eis que as provas se materializam compondo o que se vê: um espetáculo.

O grotesco da situação evidencia conceitos que pautam as relações sociais.  A cena de nudez da mulher ocorre em função da "masculinidade dos homens". Um homem não pode exigir (querer, desejar, demandar) a nudez de outro homem e, portanto, se fosse um homem ali não haveria nada disso (tais ideias sobre esse vídeo são trabalhadas com maestria no texto de Salo de Carvalho, De Violências contra a Mulher e do "Ideal de Estupro").

Muitas pessoas proclamam que não existem mais diferenças violentas entre homens e mulheres, que a igualdade de gênero aumenta e a liberdade feminina é evidente. É uma ilusão.

Ilusão porque o aumento do papel da mulher no mercado de trabalho se deve mais à organização econômica que lhe necessita para que sobreviva, cresça, movimente-se do modo esperado. E porque a liberdade sexual da mulher ainda se legitima de acordo com a ideia de que é melhor ao homem que assim seja, para se falar das duas coisas mais proclamadas como argumentos da igualdade de gênero.  

Não é preciso ir atrás das burkas procurar a opressão feminina, tão mascarada no ocidente. Permanece o ideal de existência feminina como algo que precisa servir ao masculino. Se não serve, é uma existência vulgar, ou inútil, ou desprezível, ou todas essas coisas. A mulher tem um sentido geral antes de instrumento à satisfação do homem que de algo que exista por si mesmo.

O que é preciso antes de tudo é que as mulheres não busquem ideal algum que não o da mulher livre, que independe do referencial da masculinidade. Mulher como ser humano e não como oposição ao homem. Aos homens o mesmo, porque a opressão da mulher é ao mesmo tempo a do homem, na sua outra face.

Ainda que houvesse dinheiro escondido com aquela mulher, o que aconteceu continuaria sendo absurdo. Afinal de contas, a barbárie de se jogar homens aos leões não se redime pelo fato de se jogar criminosos aos leões. Ao contrário, é inclusive pior, porque se forjam suas justificativas como se houvesse possibilidade de justificar. ''



15 de fev de 2011

o babaca e o canalha

“Todo mundo acha isso tão romântico: Romeu e Julieta, amor verdadeiro… Que triste! Se Julieta foi burra o bastante para se apaixonar pelo inimigo, beber uma garrafa de veneno e ir repousar num mausoléu, então ela teve o que merecia.” (Grey’s Anatomy)

 Acho que todo mundo já deve ter ouvido a suposta frase: ''Mulher gosta de homem canalha'' ou “Mulher gosta do tipo errado”, e não tiro totalmente a razão, não. Muitas mulheres já entram de cabeça em um relacionamento,já sabendo que a coisa não vai ter muito futuro.

Mas tem o cara canalha e o babaca. Esse último simplesmente olha pra tua cara e te convida p sair,sem mais,sem menos,e claro exibindo sua aliança..seja ela de compromisso ou de casamento. E ainda se for perguntar p sujeito referente ao seu dedo..' ah isso,poxa isso não é nada,até briguei c/ ela'.. pobre mulher..talvez você até mesmo conheça ela..isso sim é homem babaca.

Não há nada de extraordinário em ser a outra. Quem se submete e aceita ser a segunda, nunca será levada a sério para ser a primeira.
E se acontecer..quem dirá que não haverá uma segunda após? e a confiança?e desconfiança?

E o tipo canalha é aquela delicinha de homem que te puxa pela cintura, te beija até tirar seu fôlego, te enloquece. E no outro dia,não te procura,só pra te deixar na vontade. O tipo canalha geralmente quer diversão..mas ai que tá..é difil achar uma mulher que se encaixe exatamente nisso : sexo,sintonia e diversão.

Pois é, esse lance de paixão é mesmo cego, surdo, mudo, esquizofrenico e retardado.

Mas no final das contas não importa muito se o cara era um babaca, ou um canalha. De uma forma ou de outra, cada um tropeça nas próprias pernas e acaba aí… Sozinha, sentada em frente ao computador se identificando com um texto em um blog..

O cara pode dizer que sou linda, uma deusa na cama, que está apaixonado, e em casos mais graves, até que me ama, mas a minha reação será sempre a mesma: Balanço a cabeça e digo “aham”.

Não precisam e nem devem acreditar nessas lorotas, apenas entrem no jogo e façam dele o seu jogo. Uaiiiiiiiii

tchau Volkswagen

.. e viva ao seguro desespero.

23 de jan de 2011

sabe quando as coisas não fazem mais sentido? ..nenhum lugar onde se vai,parece ser o caminho..nenhuma pessoa..