5 de jun de 2010

pensamentos soltos

E com esse jeito de querer sempre mais, sem saber o limite. As vezes pra passar o tempo mais rápido, as vezes pra esquecer mais rápido. Pra chegar perto do do fim que não existe. Seguido do desapego mais estranho do mundo, que gosta de ficar perto demais.
E eu rio, embaixo do edredom, me escondendo do frio. Sem sono nenhum. O que me força a sonhar com histórias inventadas, onde você vem até a minha casa, só pra ver se eu to na varanda. E eu faço essa escolha de te inventar mais e mais, só pra fingir que eu gosto.
Mentira, essa parte. Eu gosto. Você já sabe. E porque. E quando. E onde.
Ou aceita o que vê. Porque é assim, exatamente assim.
A minha ansiedade de pintar as unhas e tirar o esmalte duas horas depois, tem explicação. A minha mania de não pentear os cabelos, tem explicação. Dá preguiça, eu sei. Mas não dorme ainda, ainda to sem sono. E eu não quero ficar sozinha.
Minha mãe ta no quarto ao lado deitada, de novo. Está frio, de novo.Minha gata ta miando na minha janela,de novo.Estou lendo Cristiane f,de novo.Eu estou escutando Avenged Sevenfold e lembrando de coisas passadas,de novo. E eu gosto de você, de novo. E eu não vou dormir. De novo.