17 de mai de 2009

A cidade escurece, minhas mãos estão geladas, eu suspiro longamente
Refletido na janela, no caminho de sempre, eu vejo meu rosto que não inspira confiança
As ruas não apontam para lugar algum.